3 prejuízos que a venda das refinarias da Petrobras causariam à população

A Petrobras foi criada estatal para desenvolver o Brasil por meio dos recursos gerados pelo petróleo.

Dado o tamanho continental do país, o parque de refino da companhia foi planejado para garantir abastecimento às regiões mais distantes dos centros econômicos, pelo menor custo possível, promovendo o progresso regional de forma complementar. Isto é, as refinarias não competem entre si, pois foram instaladas para trabalharem juntas pelo crescimento do Brasil.

No entanto, o Governo Federal ignora esse fato e segue no intento de desmanchar a empresa, mesmo em meio à pandemia do novo Coronavírus – quando é muito útil para o país manter a estatal e proteger a economia nacional.

Das 13 refinarias da Petrobras, oito foram colocadas à venda, em um acordo entre a atual gestão da companhia e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

 

Confira abaixo três prejuízos que essas privatizações causarão à população:

  1. Desabastecimento

O objetivo principal de toda empresa privada é o lucro. Consequentemente, as áreas remotas do país seriam desprezadas pelos novos donos das refinarias Petrobras – sobretudo se os compradores deixarem de produzir combustível para focar na produção de algum derivado que considerarem mais lucrativo.

O abastecimento de gás de cozinha também será afetado: 40% da operação de importação do produto é feita pelas refinarias, que atuam de forma complementar. Se forem privatizadas, a integração será quebrada, e diversas regiões ficarão desabastecidas, especialmente no Norte e no Nordeste do país.

  1. Monopólios privados

As refinarias da Petrobras foram instaladas para gerar desenvolvimento regional, e não concorrência. Desta forma, caso privatizadas, elas formarão monopólios privados em suas respectivas regiões. Sem competição, os novos donos terão um poder de influência gigantesco sobre a população – especialmente sem as diversas estruturas de fiscalização e transparência que monitoram as empresas públicas.

  1. Aumento de preços

O desabastecimento, a criação de monopólios privados, a falta de concorrência, e a logística de transporte e distribuição dos refinados tornará tudo mais caro. Mas, principalmente, a expectativa pelo fluxo de caixa: a privatização das refinarias visa o lucro, e ele sairá do bolso dos brasileiros.

 

Privatizar não é bom para o povo

A ideia de vender as refinarias da Petrobras para aumentar a competitividade e baratear o combustível é falsa. E tudo piora com o grande risco de desabastecimento de determinadas regiões do Brasil.

O Governo Federal deve atuar pela preservação do bem-estar do povo, e não do capital privado. Manter as refinarias estatatizadas e integradas é fundamental para o desenvolvimento de um país tão grande como o nosso.

 

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

 

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

O uso do petróleo vai acabar em breve?
O uso do petróleo vai acabar em breve?
Ao perceberem o leve aumento de veículos híbridos (que funcionam com motores à combustão e com eletricidade) circulando pelas grandes cidades brasileiras, ou de carros elétricos (que estão mais presentes...
Governo segue desmanchando a Petrobras: alvo agora é a Gaspetro
Governo segue desmanchando a Petrobras: alvo agora é a Gaspetro
O governo brasileiro continua seu projeto de desmonte da Petrobras. O alvo agora é a Gaspetro, subsidiária do setor de distribuição de gás natural, cujo processo de venda da participação...
“Hibernação” é política de desmanche para venda de fatias da Petrobras
“Hibernação” é política de desmanche para venda de fatias da Petrobras
A partir de 2016, a direção da Petrobras mudou de rumo logo que o governo Temer assumiu.   A privatização da empresa passou a ser meta de setores que não possuem...