Acordo da Opep+ e guerra de superprodução prejudica quem não refina

A redução do consumo global de petróleo provocado pela pandemia do Coronavírus provocou uma guerra comercial que levou à queda dos preços do produto nos mercados internacionais.
Muita produção e demanda reduzida provocaram uma reunião da Opep+ (grupo que reúne os países da Opep com outros 11 países produtores liderados por Rússia, México e Omã) no começo de abril e os resultados foram insuficientes para tentar segurar a crise.
Vários países, como o México, se recusaram a diminuir a produção e o resultado do acordo foi prejudicial para países do continente americano, caso do Brasil. A redução na produção mundial acordada para tentar manter os preços foi menor que a inicialmente proposta.
A proposta inicial era de uma redução de 15 milhões de barris por dia no mundo, mas foi fechada em apenas 10 milhões. A queda do consumo foi calculada em 27,5 milhões por dia em abril e 19,1 milhões em maio. Deste modo, ainda há mais petróleo sendo vendido que a demanda, o que tende a inundar o mercado de petróleo barato, caso outros produtores fora do acordo não intervenham.
No entanto, o acordo ratificado dia 12 de abril teve vida curta, pois a guerra comercial e geopolítica entre Rússia e Arábia Saudita continuou e o preço do petróleo despencou mais ainda no dia 20 de abril, com contratos futuros chegando a ser negociados por valores negativos, o que é inédito na história e pode fazer ruir principalmente as empresas menores e as mais dependentes da venda do petróleo cru, que verão os custos de extração ficarem inviáveis.
Aí que entra o risco para Petrobras e a necessidade urgente de uma mudança de postura da gestão.
Desde 2016, a estatal tem se focado na venda de petróleo cru especialmente para a China, que fez estoque de petróleo com a Arábia Saudita e tende a comprar menos nos próximos meses. Nesse período, a capacidade de uso das refinarias brasileiras foi reduzida propositadamente para cerca de 60%, e o nosso país passou a importar cada vez mais combustível, um contrassenso diante do dólar cada vez mais alto.
Com o preço do petróleo cru lá embaixo, a gestão da Petrobras passou a focar apenas no Pré-Sal, que tem a extração mais barata graças à tecnologia desenvolvida pela própria estatal. No entanto, a melhor saída para superar a crise seria voltar a refinar em maior volume e vender derivados. Só assim pode-se evitar ao mesmo tempo um desabastecimento e o risco de a empresa entrar em uma espiral de prejuízos nunca vista. E de impedir uma perda ainda maior de valor de mercado.
Deste modo, a salvação está nas refinarias e no mercado interno, mesmo reduzido com a queda da mobilidade das pessoas.
Agora é a hora de saber se quem comanda a Petrobras tem condições de conduzi-la com segurança ou se age como o capitão do Titanic, ignorando todas as evidências e avisos e acelerando rumo a um iceberg.

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Política de preços dos combustíveis que desencadeou greve dos caminhoneiros em 2018 segue intacta
Política de preços dos combustíveis que desencadeou greve dos caminhoneiros em 2018 segue intacta
Em maio de 2018, caminhoneiros em todo o Brasil fizeram uma greve de 11 dias. Entre as reivindicações dos grevistas, estava a redução do preço do diesel, que elevava o...
Sonhos dos habitantes de Mariana-MG foram soterrados pela ganância da iniciativa privada
Sonhos dos habitantes de Mariana-MG foram soterrados pela ganância da iniciativa privada
No dia 5 de novembro de 2015, a Barragem de Fundão, de propriedade da empresa privada Samarco, controlada pela Vale e pela BHP Billiton, rompeu e despejou cerca de 50...
Privatização de refinarias da Petrobras: perigos escondidos
Privatização de refinarias da Petrobras: perigos escondidos
Não se engane: a privatização das refinarias da Petrobras não tornará o mercado mais livre. Na verdade, o Brasil ficará refém das petroleiras estrangeiras. Das 13 refinarias da estatal, oito...