Em meio à crise internacional, a atual gestão da Petrobras falha em não priorizar o refino

crise internacional

Em meio à maior crise internacional de petróleo dos últimos anos, a atual gestão da Petrobras parece não ter entendido o tamanho do problema e também o caminho correto que deveria percorrer: valorizar o refino e ficar menos dependente das exportações de petróleo cru e da importação de combustíveis e derivados, que têm sido a política predominante desde 2016.

No dia 26 de março, a direção anunciou um pacote de medidas em que amplia o processo de desmanche da empresa e não traz mudanças que poderiam ser fundamentais para que a empresa pule na frente no que se considera um novo mundo do petróleo, que se avizinha por causa da pandemia do Coronavírus, causador da Covid-19.

A pandemia causou a diminuição da utilização de combustíveis – devido à redução da mobilidade interna no país durante a pandemia (isso também aconteceu na maioria dos países) -, retração da demanda por petróleo cru e queda do preço do barril no mercado mundial.

Mesmo diante da redução da demanda, a gestão optou por não reposicionar a empresa no segmento de abastecimento, tendo anteriormente reduzido o processamento nas refinarias. Desacelerou também os investimentos, de US$ 12 bilhões para US$ 8,5 bilhões, adiando atividades exploratórias, interligação de poços e construção de instalações de poços e refino. E anunciou a aceleração de redução de gastos operacionais em US$ 2 milhões, principalmente hibernando a exploração de poços de águas rasas, onde o custo é maior.

Em resumo, a gestão da estatal escolheu trabalhar mais estritamente com a exploração do Pré-Sal, cujo custo de exploração é menor, e acelerou seu plano de desinvestimentos.

A curto prazo, pode reduzir os impactos da crise no caixa da companhia, mas a longo prazo mostra falta de visão ao não acertar o posicionamento no pós-crise. Não por acaso, a Petrobras perdeu quase metade do seu valor por causa da crise, enquanto outras empresas, que continuam focando no refino e na produção de derivados tiveram quedas bem menores (a chinesa Sinopec chegou a ter seu valor aumentado).

A atual gestão da Petrobras erra em seguir desprezando o refino de combustível. Em algumas refinarias, a diminuição deve chegar a 40%, em comparação com o fim de 2018. O setor de abastecimento, que poderia ser útil, não estará sendo usado como maneira de amenizar a crise.

Diante da queda de consumo nacional, seria mais estratégico a Petrobras ao menos manter a capacidade de refino pré-crise. Melhor ainda seria adequá-la para que suprisse a demanda interna nacional e deixasse de comprar combustível importado. Com isso, a empresa ficaria mais protegida das variações do mercado e poderia gerar mais empregos, fornecer combustível mais barato e ajudar a alavancar a economia nacional, gerando posteriormente mais demanda e mais lucros.

O plano da administração não informa quais serão os projetos impactados pela redução dos investimentos. Isso seria importante para entender a capacidade dela no pós-crise. O caminho mais sensato é entender que o Pré-Sal é estratégico com excelentes resultados operacionais, mas que a manutenção da empresa integrada é necessária para ter como absorver os impactos das perdas na extração e produção.

As medidas anunciadas apontam apenas cortes e reduções de investimentos, mas não dão saídas para o futuro, quando estivermos diante de uma nova conjuntura.

Veja também Priorizar o refino protegeria a Petrobras das variações do mercado (e crise atual mostrou isso do pior jeito)

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

 

 

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Como o Brasil vai jogar no tabuleiro da nova geopolítica do petróleo
Como o Brasil vai jogar no tabuleiro da nova geopolítica do petróleo
O setor do petróleo se apresenta como um tabuleiro de xadrez. Porém, esse jogo vai muito além de uma mera partida esportiva, ele decide o andamento e os rumos do...
Nova gasolina da Petrobras antecipa padrões que serão obrigatórios só em 2022
Nova gasolina da Petrobras antecipa padrões que serão obrigatórios só em 2022
Disponível em todas as refinarias desde o último dia 3 de agosto, a nova gasolina da Petrobras antecipa os padrões que serão obrigatórios pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural...
Queda da indústria naval transforma estaleiros em cemitérios de navios
Queda da indústria naval transforma estaleiros em cemitérios de navios
Os efeitos da política de entrega das grandes estatais brasileiras têm reflexos em vários segmentos. O enfraquecimento de empresas lucrativas como a Petrobras gera reflexos muito negativos. Consequentemente, prejudica a...