“Hibernação” é política de desmanche para venda de fatias da Petrobras

A partir de 2016, a direção da Petrobras mudou de rumo logo que o governo Temer assumiu.   A privatização da empresa passou a ser meta de setores que não possuem compromisso com o Brasil.

Com a mudança do governo, em janeiro de 2019, veio a radicalização desta postura e ampliou-se o processo de desmanche da estatal, com a venda de pedaços (subsidiárias) em vários segmentos.

Essas mudanças irão comprometer a lucratividade no futuro da estatal, mas atual gestão não está preocupada com isso.

Já foram entregues subsidiárias como a Transporte Associado de Gás (TAG), a Nova Transportadora do Sudeste (NTS), a Liquigás, a BR distribuidora, além de o processo de venda da Gaspetro ter avançado. Vários campos de produção também foram vendidos, sejam terrestres ou marítimos.

Essas vendas em 2019 geraram 24 bilhões de reais, o que correspondeu a 60% do lucro da empresa, dando uma falsa sensação de lucratividade e enganando alguns que acham que este número é sintoma de boa administração.

A mais nova face desta política é chamada de hibernação. Na verdade, é uma estratégia para acelerar a privatização da empresa ao abrir mão do funcionamento de plataformas e subsidiárias.

A estrutura parada e sem manutenção se deprecia e, pelo preço reduzido, fica mais atraente para os compradores. É um crime de lesa-pátria cometido por aqueles que deveriam estar valorizando a soberania brasileira.

Utilizando como argumento a pandemia da Covid-19, a Petrobras anunciou em abril a hibernação de 62 plataformas em águas rasas nas bacias de Campos, Sergipe, Potiguar e Ceará. A direção da estatal alegou que o preço baixo do petróleo inviabiliza a exploração econômica dessas áreas.

No entanto, as plataformas em Sergipe, Potiguar e Ceará estão justamente em listagem de bens colocados à venda pela estatal, assim como várias das plataformas de Campos. Muitos desses campos são maduros e precisam apenas de pequenos investimentos – que não feitos desde o governo Temer – para dobrar ou triplicar a produção.

A crise, caudada pelos impactos da pandemia, está sendo usada como desculpa para uma aceleração do desmanche da Petrobras em larga escala.

Durante uma reunião do governo, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, celebrou a pandemia e afirmou que é o momento para passar “boiada” e facilitar o avanço do agronegócio sobre a Amazônia. O presidente da Petrobras, Castello Branco, não fica atrás e segue a mesma linha no seu projeto de destruição do patrimônio dos brasileiros.

 

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Em 20 anos, serviços privatizados subiram mais que inflação
Em 20 anos, serviços privatizados subiram mais que inflação
É comum ouvir atualmente expressões como “privatiza tudo” ou “tem que privatizar mesmo”. Geralmente, esses pensamentos são estimulados por setores que não possuem compromisso com o país e nem com...
Exploração da Bacia de Campos chega aos 44 anos enfrentando privatizações
Exploração da Bacia de Campos chega aos 44 anos enfrentando privatizações
A Bacia de Campos completou em agosto 44 anos de exploração petroleira enfrentando privatizações que reduzem sua capacidade de produção. Se durante essa longa trajetória a Petrobras registrou altos níveis...
Esquartejamento da Petrobras é mais um golpe no futuro do meio ambiente no país
Esquartejamento da Petrobras é mais um golpe no futuro do meio ambiente no país
As matrizes energéticas utilizadas por um país (seja eletricidade, gás, petróleo ou biocombustíveis), são um ponto central quando se trata de pensar políticas ambientais, sustentabilidade e alinhamento com as necessidades...