Não foi a privatização que popularizou a telefonia, foi a tecnologia

Setores das elites da sociedade que defendem a entrega do patrimônio público para a iniciativa privada costumam usar a privatização da telefonia como exemplo de “sucesso”.

De forma proposital, eles enganam as pessoas dizendo que a privatização do setor foi responsável pela massificação das linhas telefônicas e dos celulares. Mas isso não é verdade. Quem gerou a ampliação do acesso foi a tecnologia, que mudou no mundo inteiro.

Isso aconteceria mesmos se o sistema se mantivesse estatal.

O que a privatização trouxe foi um oligopólio privado com serviços ruins, entre os mais caros do mundo.

 

Foi barateando

Entre os anos 70 e os 90 do século 20, surgiu a telemática, a integração entre a telefonia e a informática. No início de tudo, custava milhares de dólares instalar um telefone na casa de alguém, pois a tecnologia existente era cara e havia pouca infraestrutura. Por isso, a memória de pessoas que alugavam linhas ou de que elas custavam o mesmo que um automóvel.

A evolução tecnológica permitiu que o processo fosse simplificado e este custo caísse para cerca de 20 dólares em 1998, justamente o ano da privatização.

Esta diminuição dos custos foi justamente pelos investimentos do Sistema Telebrás, que era formado pelas companhias telefônicas estaduais (algumas de cidades isoladas também).

O Sistema Telebrás era altamente eficiente e era a quinta maior companhia telefônica do mundo, atrás apenas das quatro gigantes dos Estados Unidos. Em 1998, por exemplo, deu mais lucro que a Coca-Cola Internacional: US$ 2 bilhões.

A Telerj do Rio de Janeiro tinha problemas de infraestrutura, mas foi porque o Regime Militar abandonou a infraestrutura do estado como um todo, problema visível até hoje. Mas empresas como a Telesp (SP), Telepar (PR) e Telemig (MG) eram de altíssima excelência, além de empresas menores do Nordeste e a Embratel, primeira empresa de ligações de longas distâncias, com radiotransmissores.

A Telebrás era maior que a Telmex, empresa mexicana dona da Claro, e que hoje é uma das maiores do mundo.

Isso significa que privatizaram uma estatal lucrativa e eficiente.

 

A tecnologia do celular

As empresas do Sistema Telebrás já previam que o celular vinha para ficar e que as pessoas iriam gradualmente deixar de ter telefone fixo. Algumas já haviam criado subsidiárias e iam ampliando sua cobertura.

A tecnologia de telefonia celular é bem mais barata que a fixa, pois demanda menos infraestrutura e menos pessoal para a manutenção.

Os aparelhos começavam a chegar ao país e com o câmbio ainda bastante favorável começavam a ser adquiridos pela população, deixando de ser luxo.

 

Como foi o processo

Pouco antes de sofrer impeachment, em 1991, o então presidente Fernando Collor de Mello já era pressionado pelo Banco Mundial para assinar um acordo de privatização do sistema de telecomunicações. Foi em 1998, sob Fernando Henrique Cardoso, que a privatização ocorreu.

O processo envolveu vários escândalos, como os “Grampos do BNDES”, em que integrantes do governo discutiam de maneira nada republicana o direcionamento dos leilões.

A venda total do Sistema Telebrás, que foi fatiado, saiu por US$ 19 bilhões, sendo que havia lucrado US$ 2 bi naquele ano. Vale lembrar que a empresa, fiscalizada pela União, rendia muitos impostos e dividendos.

Porém, o Brasil não viu a cor do dinheiro, pois o BNDES bancou US$ 11 bilhões aos compradores e depois o ministro da Fazenda, Pedro Malan, permitiu que as compradoras descontassem o ágio da operação. Na prática, as empresas telefônicas entregues praticamente de graça.

 

Consequências

O fatiamento das empresas gerou a situação de algumas terem o chamado “filé”, como a Telefonica (hoje Vivo) em São Paulo, e outras com regiões nem tão rentáveis como a Oi (surgida da fusão de várias teles, entre ela a Brasil Telecom), em estado falimentar.

O mercado foi se concentrando em poucas empresas. E hoje elas lideram os rankings de reclamações nos órgãos de defesa do consumidor e na Justiça. Até em grandes centros há problemas de sinal, como em elevadores, túneis e no metrô.

As metas de universalização dos serviços não foram atingidas pelas empresas privadas e as expansões de redes ficaram mais direcionadas ainda ao lucro, deixando muitas localidades desassistidas.

No Brasil, 2.221 municípios brasileiros possuem conexão de banda larga fixa limitada (menos de 5 Mbps) e 2.345 não possuem rede de transporte com fibra óptica, o que significa atraso num mundo cada vez mais dependente da informação via web. A tecnologia de banda larga chegou ao Brasil no ano de 2000, já depois da privatização (e chegaria independentemente disso).

A Telebrás tinha um centro de pesquisas avançadíssimo e isto deixou de existir.

O Brasil fabricava e exportava centrais telefônicas digitais. A Gradiente, uma empresa privada nacional, era referência no ramo. Ela chegou a falir em 2007, retornando alguns anos depois, mas longe de ser o que foi um dia.

A privatização também matou no berço as chances de uma indústria nacional de celulares, impulsionada pela demanda da estatal. Hoje, o Brasil apenas monta aparelhos, não possui nem transferência de tecnologia e nem tecnologia própria. Antigo exportador de tecnologia telefônica, o país regrediu economicamente neste aspecto.

Em resumo: a privatização da telefonia deu ao Brasil serviços caros (com preços muito próximos, ou seja, a competição é falsa), de péssima qualidade, concentrados em pouquíssimas empresas que lideram os rankings de reclamação e de processo na Justiça, com abrangência extremamente limitada e excludente.

Não é bem um exemplo de sucesso…

Se a Petrobras for privatizada, já é possível visualizar o cenário trágico que isso geraria no Brasil.

 

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Fake News sobre endividamento da Petrobras é a desculpa para privatizá-la
Fake News sobre endividamento da Petrobras é a desculpa para privatizá-la
Contar mentiras para atingir interesses. Essa tem sido a prática mais comum no governo Jair Bolsonaro. E quando se trata de contemplar o mercado internacional e defender o lucro dos...
Nova gasolina da Petrobras antecipa padrões que serão obrigatórios só em 2022
Nova gasolina da Petrobras antecipa padrões que serão obrigatórios só em 2022
Disponível em todas as refinarias desde o último dia 3 de agosto, a nova gasolina da Petrobras antecipa os padrões que serão obrigatórios pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural...
Privatização aumenta terceirização, que aumenta acidentes
Privatização aumenta terceirização, que aumenta acidentes
Terceirização não rima com segurança, mas rima com privatização. Se a Petrobras for privatizada (inteira ou em partes), as terceirizações irão aumentar e, com isso, a quantidade de acidentes de...