Nova gasolina da Petrobras antecipa padrões que serão obrigatórios só em 2022

Disponível em todas as refinarias desde o último dia 3 de agosto, a nova gasolina da Petrobras antecipa os padrões que serão obrigatórios pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) apenas em 2022, que é gasolina com octanagem RON 93.

A ANP determinou que a partir de agosto de 2020 a gasolina passará a ter densidade mínima de 715 kg/m³ e octanagem mínima de 92 pela metodologia Research Octane Number (RON). Já em janeiro de 2022, a octanagem mínima obrigatória será de 93, que é a que a Petrobras já começa a oferecer.

Isso coloca a gasolina da estatal brasileira em um nível próximo das gasolinas vendidas em países europeus e também nos Estados Unidos.

 

Maior octanagem

Antes da mudança a octanagem da gasolina comum no Brasil era RON 91. Octanagem ou “índice de octano” é o índice de resistência à detonação de combustíveis usados em motores a gasolina, etanol, GNV e GLP automotivo. Quanto maior o RON, maior a octanagem.

A octanagem não é diretamente ligada à qualidade do combustível, mas motores mais potentes e também mais modernos necessitam de uma maior resistência à ignição espontânea por terem alta compressão e, por consequência, alta pressão interna.

Um combustível de baixa octanagem nesses motores é sujeito a pequenas explosões e à chamada “batida de pino”, que é resultado de choque de metal contra metal no interior do motor, o que causa graves danos.

Para regular a octanagem, alguns aditivos são utilizados. Dois deles, o tetraetilchumbo (chumbo tetraetil) e o tetrametilchumbo, ainda são usados em alguns países do mundo, mas estão gradativamente sendo proibidos pela alta toxicidade, sendo inclusive cancerígenos.

O Brasil foi um dos pioneiros mundiais a abandonar os compostos de chumbo na gasolina, tendo feito o processo entre 1989 e 1991. A partir daí passou a usar o etanol anidro como aditivo de regulagem de octanagem, o que reduz a emissão de poluentes. Vários outros países também proíbem o chumbo na gasolina, como por exemplo o bloco da União Europeia.

 

Ganhos de desempenho, economia e segurança

Por ser mais denso que o tipo anterior de gasolina, o novo combustível propiciará em média uma economia de consumo de 5% por quilômetro rodado, dependendo do tipo de motor. Isso fará com que a economia dele no tanque compense com sobras o aumento de cerca de 1,5% no preço.

Para completar, a nova gasolina melhora o desempenho do motor, garantindo melhor dirigibilidade, menor tempo de resposta na partida fria e aquecimento adequado do motor.

A densidade maior do combustível também trará mais segurança, já que dificulta a adulteração, pois a nafta de baixa qualidade e os solventes utilizados pelos fraudadores possuem volume diferente e que é facilmente detectado nessas novas condições.

Só uma empresa estatal e preocupada com o Brasil como a Petrobras é capaz de se antecipar a novos padrões antes que eles sejam obrigatórios.

 

 

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Mentiras sobre o endividamento da Petrobras: uma estratégia para a privatização
Mentiras sobre o endividamento da Petrobras: uma estratégia para a privatização
Imagine você descobrir uma gigante mina de ouro. Uma das maiores do mundo. A maior descoberta dos últimos trinta anos. Legal, né? Aí, depois de muito esforço, você entende que...
A Petrobrás não dá prejuízo para os brasileiros. Pelo contrário!
A Petrobrás não dá prejuízo para os brasileiros. Pelo contrário!
Você já parou para pensar como é importante e positivo para o brasileiro ter a Petrobras estatal e forte? Principalmente porque depois da descoberta do Pré-sal, nossa empresa tornou-se uma...
“Hibernação” é política de desmanche para venda de fatias da Petrobras
“Hibernação” é política de desmanche para venda de fatias da Petrobras
A partir de 2016, a direção da Petrobras mudou de rumo logo que o governo Temer assumiu.   A privatização da empresa passou a ser meta de setores que não possuem...