O uso do petróleo vai acabar em breve?

uso do petróleo vai acabar

Ao perceberem o leve aumento de veículos híbridos (que funcionam com motores à combustão e com eletricidade) circulando pelas grandes cidades brasileiras, ou de carros elétricos (que estão mais presentes em outros países, mas ainda são raros no Brasil), muitas pessoas se perguntam: “O uso do petróleo vai acabar em breve?“, “até quando o petróleo continuará sendo importante?”

Muitos acabam acreditando que essas mudanças farão com que o petróleo deixe de ser usado em breve e que, por isso, uma solução seria privatizar a Petrobras para que empresas estrangeiras viessem retirar logo o petróleo brasileiro.

Não é bem por aí…

O petróleo ainda continuará sendo estratégico por muito tempo. Principalmente porque há grande oferta mundial e novas descobertas pelo mundo aguçam o interesse das grandes potências. Exemplo disso são as descobertas no Irã (novembro de 2019), e em Guiana (janeiro de 2020).

Previsões proporcionais à demanda mundial projetam o uso massificado do petróleo por mais de 40 ou 50 anos, o que garantirá um setor forte e rentável por mais décadas ainda.

Outra questão que impulsiona a área é o grande investimento em tecnologia para extração. Hoje, é possível tirar petróleo de bacias com mais de 7 mil metros de profundidade, o que era impensável anos atrás.

:: Por exemplo =>  em 1984 a Petrobras produzia 500 mil barris de petróleo por dia extraindo de 4108 poços. Segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP), a estatal produz atualmente 3 vezes mais extraindo somente de 77 poços da camada do Pré-sal (uma área gigantesca abaixo da camada de sal do Oceano Atlântico).

A Agência Internacional de Energia aponta que 60% da produção energética mundial vem do petróleo.

Outras fontes energéticas não são menos importantes, inclusive algumas ganham protagonismo, principalmente na Europa. São as chamadas “fontes renováveis”. Porém, o petróleo se mantém como principal matriz energética do planeta e certamente continuará assim por muito tempo.

O que o Brasil deveria fazer é pensar no futuro, visando a transição energética para uma economia de baixo carbono (mas que ainda levará tempo), em vez de pensar apenas em extrair e vender o petróleo cru a baixos preços para depois comprar o produto refinado do exterior pagando muito caro, como faz o atual governo.

 

Que governo pensa assim?

No mundo atual, governos inteligentes de países produtores de petróleo não abrem mão do setor petrolífero justamente por entenderem o quanto ele é estratégico para a economia do país e para o futuro da própria população.

Não é por acaso que a maior parte das grandes empresas petrolíferas do mundo são estatais.

 

E os Estados Unidos, que não possuem estatal de petróleo?

Há países que não detêm o controle do próprio petróleo e, por isso, operam na geopolítica para se apropriar do petróleo dos outros países (ou adquiri-los a preços muito abaixo do valor de mercado).

É o caso dos Estados Unidos (EUA). Por razões históricas, o país não possui empresa estatal de petróleo (mas possui mais 6 mil estatais em diversas áreas, principalmente estaduais e municipais, chamadas de “public authorities”).

Por isso, a autoproclamada “maior potência do planeta” continua criando guerras com frequência por causa do petróleo. Um exemplo bastante recente é o conflito iniciado no final de 2019 contra o Irã depois que o país do Oriente Médio anunciou uma nova reserva estimada em mais de 50 bilhões de barris (menor que o nosso Pré-sal).

Guerras como as contra o Iraque (basta lembras das “armas de destruição em massa” que nunca existiram), contra a Síria, a Líbia e etc também foram motivadas por questões energéticas (petróleo e gás).

E mesmo quando não está investindo em novas guerras, governos norte-americanos frequentemente derrubam governos democraticamente eleitos, ajudam a implementar ditaduras ou a levar ao poder governantes que atuarão como fantoches. Tudo isso para facilitar o acesso ao petróleo produzido em países com instituições mais fracas.

Fora isso, para manter viável o setor interno (e privado) de petróleo, o governo dos Estados Unidos gasta anualmente cerca de US$ 5 bilhões (mais de R$ 20 bilhões) em subsídios à indústria de petróleo, destinado a todos os elos da cadeia de produção, desde a exploração até o refino.

Sim! O petróleo é privado, mas está intrinsecamente misturado com o poder público. Basta lembrar que o primeiro secretário de Estado nomeado pelo presidente Donald Trump foi Rex Tillerson, presidente da ExxonMobil.

O “livre mercado de lá” não é tão “livre” assim e, quando precisa, tem no Estado o apoio para não naufragar…

 

Brasil

E por aqui, qual o futuro da Indústria Petrolífera? O setor de petróleo e gás já foi responsável por 13% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro.

Com a descoberta do Pré-sal, o Brasil passou a ter ainda mais perspectiva de despontar como um dos maiores produtores de petróleo do mundo.

A estimativa é que o Pré-sal possa render mais de US$ 10 trilhões (mais de R$ 40 trilhões) de lucro para a Petrobras.

Ou seja, há muita extração pela frente ainda!

Em toda sua história, o Brasil perfurou apenas 30 mil poços de petróleo. Só a Argentina, com área geográfica bem menor, já perfurou o dobro desse número. Já os Estados Unidos passou da casa dos milhões de poços explorados.

Portanto, a indústria do petróleo e gás no Brasil permanecerá forte e poderá crescer muito. Além disso, seus derivados são uma das principais matérias-primas utilizadas.

Imagine o mundo sem:

:: Gasolina automotiva

:: Combustível de aviação

:: Óleo diesel

:: Óleos lubrificantes

:: Óleos combustíveis

:: Gás de cozinha (GLP)

:: Produtos asfálticos

:: Querosene de iluminação

:: Lubrificantes industriais

 

Então, além de tudo isso, o petróleo está na produção de plásticos, borracha sintética, cosméticos, tecidos sintéticos e uma gama gigantesca de produtos utilizados no dia a dia da população.

A verdade é que o mundo ainda depende desse recurso!

E o Brasil depende ainda mais. Não por acaso o Pré-sal é chamado de “passaporte para o futuro”.

E faz todo sentido.

 

Veja também Por que o Brasil ainda importa derivados de petróleo?

 

Compartilhe nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

A população concorda que a Petrobras deve controlar preços de combustíveis e gás de cozinha
A população concorda que a Petrobras deve controlar preços de combustíveis e gás de cozinha
Houve um tempo em que a Petrobras atuava para impedir o aumento de preços dos combustíveis. Você se lembra disso?Grande parte da velha mídia e de setores que não eram...
Não há monopólio do petróleo no Brasil desde 1997
Não há monopólio do petróleo no Brasil desde 1997
Uma coisa que muita gente talvez não saiba é que a produção e comercialização de derivados de petróleo deixaram de ser monopólio estatal em 1997, com a revogação da Lei...
Na contramão do mundo, governo faz Petrobras abrir mão de energias limpas
Na contramão do mundo, governo faz Petrobras abrir mão de energias limpas
Há alguns anos questões relacionadas à preservação do meio ambiente passaram a ser cada vez mais importantes. Se antes, empresas e políticos sequer tocavam no tema, hoje a pauta é...