P 70 plataforma da Petrobras: morte em alto mar e o fim da indústria naval brasileira

Plataforma da Petrobras

Uma tragédia aconteceu a bordo da P-70, plataforma da Petrobras que saiu de um estaleiro chinês rumo ao Brasil para operar no Pré-sal.

Você não leu errado, as plataformas brasileiras, após o Governo Federal acabar com a indústria naval, agora são construídas na Ásia.

Sim, o Brasil gera emprego, renda e arrecadação em outros países.

Mas voltando à P 70, uma empresa terceirizada, Boskalis, acabou noticiando que um dos seus funcionários morreu e outros cinco foram internados em um hospital na África.

 

Mas o que isso tem de ligação com a Petrobras?

Trata-se de um exemplo de como trabalhadores da indústria naval tiveram suas vidas ceifadas após o desinvestimento do setor no Brasil.

Imagine se a plataforma fosse construída, como era anos atrás, em território nacional. Será que essa tragédia teria acontecido?

Provavelmente não. Pois o tempo de deslocamento de um estaleiro nacional para uma área do Pré-sal, também em águas nacionais, é infinitamente menor se comparado à viagem da China.

Apesar do exemplo ser mórbido, essa questão resgata outra tragédia, mais precisamente no estado do Paraná.

Lá, acorreu uma ação desastrosa da Petrobras, quando parou o setor da indústria naval que empregada milhares de trabalhadores.

 

Caso Pontal do Paraná

Localizado no litoral paranaense, o estaleiro foi um projeto orçado inicialmente de US$ 889 milhões e que empregou mais 5 mil pessoas, tanto de municípios paranaenses como de outros estados.

Em 2017, depois de uma decisão política, o Governo Federal decidiu levar as construções de plataformas, como a P 70, para a China.

Como consequência, 5 mil pessoas de forma direta e outros milhares de forma indireta perderam seus postos de trabalho.

É preciso entender que esse processo de desindustrialização de um país tem consequências trágicas como o desemprego, a redução da renda dos trabalhadores e empregos precarizados, além no impacto da economia regional.

Em Pontal do Paraná, dos 20 módulos de plataformas, 15 foram executados no Brasil, com 71% de conteúdo local e de qualidade.

A P-76, por exemplo, é utilizada para a cessão onerosa de Búzios 3, no Pré-sal, com capacidade de produção de 150 mil barris de petróleo/dia.

 

Nacionalismo?

Apesar do Governo Federal falar insistentemente em patriotismo, a política atual de desinvestimento, com a gestão da Petrobras preferindo gerar renda na Ásia em vez de aquecer a indústria nacional, foge do real nacionalismo.

Até porque, quem defende uma nação soberana, também apoia o desenvolvimento de projetos nacionais e de conteúdo local, com tecnologia comprovadamente de qualidade.

O que era para ser motivo de orgulho na Petrobras, devido à capacidade de execução de grandes projetos, agora não acontece mais.

Se o Governo Federal não acredita no Brasil e no brasileiro, que somos capazes de contribuir para o desenvolvimento industrial, o que dizer?

Dá para chamar essa política atual no Brasil de muitas coisas, menos de nacionalista, porque isso ela não é.

Veja também Atual política do governo para a Petrobras deixa o Brasil desprotegido

 

P 70 plataforma da Petrobras: morte em alto mar e o fim da indústria naval brasileira

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

A Petrobras é fundamental para o PIB do Brasil
A Petrobras é fundamental para o PIB do Brasil
Em 2020, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil despencou. E, com ele, o poder de compra do povo. Talvez você não saiba, mas foi o setor de petróleo e...
Privatizar a Petrobras garantiria melhora na qualidade dos serviços e reduziria o preço do combustível?
Privatizar a Petrobras garantiria melhora na qualidade dos serviços e reduziria o preço do combustível?
Pessoas que defendem a ideia de privatizar a Petrobras e outras estatais geralmente usam argumentos como: “Se privatizar, teremos mais eficiência nos serviços”. “Vai baratear os produtos”. Até parece que...
Acordo da Opep+ e guerra de superprodução prejudica quem não refina
Acordo da Opep+ e guerra de superprodução prejudica quem não refina
A redução do consumo global de petróleo provocado pela pandemia do Coronavírus provocou uma guerra comercial que levou à queda dos preços do produto nos mercados internacionais. Muita produção e...