Privatização de refinarias da Petrobras: perigos escondidos

Não se engane: a privatização das refinarias da Petrobras não tornará o mercado mais livre. Na verdade, o Brasil ficará refém das petroleiras estrangeiras.

Das 13 refinarias da estatal, oito foram colocadas à venda. A primeira da fila é a Refinaria Landulpho Alves (RLAM). Localizada em São Francisco do Conde (Bahia), é a segunda maior do país, com capacidade para refinar 330 mil barris diariamente.

Fundada antes mesmo da criação da Petrobras (1950), a Rlam está em fase vinculante (quando as ofertas de compra são selecionadas e se formalizam em propostas mais consistentes). A melhor oferta foi apresentada por um dos principais fundos soberanos dos Emirados Árabes Unidos, o Abu Dhabi Mubadala – que discutirá com a Petrobras os termos de compra de forma exclusiva.

 

Por que isso não é bom?

A venda da Rlam será excelente para os Emirados Árabes Unidos, mas péssima para o Brasil.

Além de tornar os produtos mais caros para os consumidores, afetará drasticamente o abastecimento do Nordeste brasileiro – as refinarias Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, e Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor), no Ceará, também estão na lista de privatizações.

Aliás, a venda da Rnest representa a perda da soberania nacional sobre a importação de gás natural liquefeito (GLP).

De 25 a 30% de todo o GLP consumido no país é importado. Destes, 80% entra pelo porto de Suape, em Pernambuco. Ou seja, 80% da capacidade brasileira de importação e armazenamento de GLP será privatizada junto com a Rnest.

E não é tudo.

Segundo o Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), os perigos que a privatização das refinarias da Petrobras esconde serão desastrosos:

  • O abastecimento de todo o país ficará comprometido, já que quase 99% das refinarias que continuarão estatais estão no eixo Rio-São Paulo.
  • A população que vive fora desse eixo se tornará refém dos novos donos das refinarias: o acesso aos combustíveis será menor, assim como sua variedade. Já os preços serão maiores.
  • O investimento em refino não será de acordo com o desenvolvimento regional, mas sim com o que gerar mais lucro. Alguns derivados não serão mais produzidos, o que também pode gerar desabastecimento em várias regiões.
  • Se os novos donos forem internacionalizados, ou atuarem no segmento de importação, a estrutura das refinarias poderá ser usada como reservatórios de produtos importados. Deixando de produzir no Brasil, os novos donos lucrarão mais, mas o povo não terá a geração atual de desenvolvimento e renda.

Desmontar o parque de refino da Petrobras romperá com o projeto de nação soberana desenvolvido para o Brasil quando a estatal foi criada (e que foi essencial para o Brasil dar saltos nos índices de qualidade de vida nas duas últimas décadas) e só servirá para tornar o povo brasileiro refém do capital estrangeiro.

Isso está muito longe de colocar o “Brasil acima de tudo”, como prometido pelo atual Governo Federal.

 

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

 

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Mentiras sobre o endividamento da Petrobras: uma estratégia para a privatização
Mentiras sobre o endividamento da Petrobras: uma estratégia para a privatização
Imagine você descobrir uma gigante mina de ouro. Uma das maiores do mundo. A maior descoberta dos últimos trinta anos. Legal, né? Aí, depois de muito esforço, você entende que...
Não há monopólio do petróleo no Brasil desde 1997
Não há monopólio do petróleo no Brasil desde 1997
Uma coisa que muita gente talvez não saiba é que a produção e comercialização de derivados de petróleo deixaram de ser monopólio estatal em 1997, com a revogação da Lei...
Brasil colônia: em vez de se espelhar na Noruega, o Brasil segue o exemplo da Nigéria
Brasil colônia: em vez de se espelhar na Noruega, o Brasil segue o exemplo da Nigéria
A Nigéria é um país da África Ocidental que faz fronteira com a República do Benim, Chade, Camarões e Níger. Sua costa encontra-se ao sul, no Golfo da Guiné, no...